Primeira exposição sobre lã de alpaca: trabalhadores atam, alongam e cortam animais, fazendo-os vomitar

 

Para divulgação imediata:

1 de juhno de 2020

Contacto:

Sascha Camilli +44 (0) 20 7923 6244; [email protected]

PRIMEIRA EXPOSIÇÃO SOBRE LÃ DE ALPACA: TRABALHADORES ATAM, ALONGAM E CORTAM ANIMAIS, FAZENDO-OS VOMITAR

Uma investigação secreta da PETA EUA no Peru mostra alpacas a sangrar e a gritar de dor e medo

Lisboa – Uma investigação secreta, primeira no seu género, pela PETA US à Mallkini – a maior quinta privada de alpacas no Peru – revela que trabalhadores mantinham pelas orelhas alpacas a gritar e a lutar, à medida que as tosquiam agressivamente com tosquiadoras elétricas, às vezes fazendo-as vomitar de medo. Eles batiam as alpacas – algumas delas grávidas – contra mesas, prendiam-nas a um instrumento de contenção de aspeto medieval e com extrema força puxavam-nas, quase deslocando as suas pernas das articulações. A tosquia rápida e violenta deixou os animais cortados e a sangrar de feridas profundas, as quais foram cosidas sem os analgésicos adequados.

Em resposta, a Esprit está a eliminar progressivamente a lã de alpaca e, como um primeiro passo, a Gap Inc (que possui a Banana Republic, Athleta e outras marcas) e a H&M Group (que possui oito marcas) cortaram ligações com a empresa-mãe da Mallkini, o Grupo Michell, a qual lidera a exportação de fibra de alpaca. A PETA EUA está a pedir às autoridades peruanas que investiguem a Mallkini quanto a possíveis violações das leis protetoras de animais do país.

“Esta investigação da PETA EUA revelou a violenta tosquia que deixa as alpacas a sangrar e aos gritos”, diz a diretora de projetos corporativos da PETA, Yvonne Taylor. “Nós urgimos todos os retalhistas a protegerem estes animais vulneráveis, banindo a lã de alpaca, e apelamos os consumidores a que deixem itens de lã de alpaca cruelmente produzidos nos cabides.”

A PETA – cujo lema diz, em parte, que “os animais não são nossos para vestir” – aponta que para além de provocarem um imenso sofrimento às gentis alpacas, a produção de lã de alpaca é igualmente terrível para o planeta. O Índex de Sustentabilidade de Materiais de Higgs classifica a lã de alpaca como o segundo material mais prejudicial para o ambiente a seguir à seda, sublinhando que é seis vezes mais nocivo que o poliéster e mais do que quatro vezes mais prejudicial que a modal, viscose, rayon, lyocell, acrílico e outros materiais veganos.

A PETA opõe-se ao especismo, uma visão do mundo de supremacia humana. Para mais informações, por favor, visite PETA.org.uk.

#